WELCOME

Este Blog é uma oportunidade de trocar experiências com aquelas que já passaram, estão passando ou ainda passarão por pequenas grandes alegrias, surpresas e aventuras do dia a dia de ser mãe, mamãe, mamãezinha. Sejam todas muito bem vindas!

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

ÁLBUM JOÃO PEDRO

Este álbum eu fiz para o meu sobrinho João Pedro. Ele é bem grandão, com a capa fofinha e forrada em algodão azul marinho e branco, igualzinho à decoração do quarto dele. As páginas são no tamanho 30 x 30 cm e todas protegidas por plástico. Eu amei. Agora só falta Mamãe Liciene adicionar as fotos e alguns títulos às páginas.

















E o mais legal é que depois dá para acrescentar mais páginas conforme ele vai crescendo e a mamãe tirando fotos!


Beijinhos, João Pedro! Titia tá com saudades!!!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A FADA DA CHUPETA

Gente, a Fada da Chupeta apareceu aqui em casa e levou a chupeta da Lívia!!!!!!!!!!!!!!!

Tudo começou sem querer.... Estávamos na "Piscina de Mentira" brincando e assistindo TV, quando tive a idéia de tirar a pepê dela e esconder. Quando a baixinha sentiu falta da chupeta, começou a pedir e procurar....eu disse que a Fada da Chupeta tinha levado porque ela já era uma mocinha e já sabia correr, pular e andar de motoca!

E é assim que funciona!.... A fada ajuda a criança a fazer todas essas coisas de gente grande e quando ela percebe que a criança cresceu, ela aparece e leva a chupeta para uma criancinha pequenininha.
Ela aceitou bem a história!

Depois li pra ela uma historinha em que fada da chupeta as usa para construir uma estrela lá no céu....
Tudo estava ótimo, até bater o sono da tarde...

"Mamãe, tô com muita saudade da minha pepê!" Reforcei a idéia da fada, mas não adiantou...

Então, "chamei a fada" e fizemos um acordo.

Pepê só na hora de dormir e quando estiver bem escuro. Só de noite.
A Lívia concordou.

Não pede mais a chupeta durante o dia. Acorda, entrega a chupeta e só a pede de novo a noite.
Que progresso!!!!!

ROUPINHAS PARA BEBÊ QUE NASCE NO INVERNO





Se seu filho nascerá entre abril e agosto, considere montar um enxoval com peças mais quentes e em maior quantidade de cada item. Isso porque, no frio, o bebê faz mais xixi que nos dias quentes e,como consequência, poderá molhar mais roupas também. Além disso, a secagem das roupas é muito mais difícil nessa época do ano.

Conversando com algumas mães que tiveram filhos no inverno e pesquisando na net também (já que os meus babies nasceram no verão), percebi que é legal investir em algumas peças grossas "coringas" para serem usadas com outras mais leves. Assim, você vestirá seu bebê "em camadas", como por exemplo, "meia + mijão de malha + body de manga longa de malha + macacão de plush + luvas". As mães relatam que assim o bebê fica mais quentinho do que vesti-o com um super macacão de lã apenas.

Atente-se para os tecidos das roupinhas de inverno, que podem ser, desde os mais levinhos como a malha, passando pelo moletom, flanela, plush e chegando ao soft e lã. O Lucca ganhou um macacão-pijama de soft, muito grossinho, bem quentinho - uma delícia para os dias frios. É da Tip-Top (igual ao da foto), para quem quiser pesquisar...

No post "ROUPINHAS PARA BEBÊ QUE NASCE NO CALOR" tem mais dicas sobre tamanhos e quantidades.

Então, assim como já disse antes, esta lista é apenas uma idéia. Cada mamãe deve saber a frequencia que lava e passa as roupas para conseguir adequar a quantidade de cada peça. Aqui em casa, eu sempre penso que tenho que ter, pelo menos, uma ou duas peças de cada para a semana toda (de 7 a 10 bodies, por exemplo), caso não dê para lavar e passar durante a semana e toda a roupa se acumule no final de semana, entende?

Vamos à lista,


*SAÍDA DE MATERNIDADE - como já disse anteriormente, sempre compramos o kit, com macacão e mantinha e eles devem ser "mais bonitinhos" porque, eventualmente, tiraremos fotos e filmaremos o bebê chegando em casa. Neste caso, prefira um conjuntinho de plush ou lã. Ou ainda, uma peça de cada material, desde que combinem. Não se esqueça das luvinhas (que podem ser de plush ou lã) e a touquinha. Acredito que os sapatinhos sejam dispensáveis, já que o macacão geralmente tem pézinhos. Ah, pense também no body e mijão de malha por baixo do macacão. E das meias, é claro!

*BODY DE MANGA LONGA - 6 no tamanho RN, 10 no tamnho P;

*BODY DE MANGA CURTA - 4 RN, 6 P;

*CALÇA (MIJÃO) - 6 RN, 10 P;

*MACACÃO COMPRIDO - 6 RN, 10 P - prefira os de plush, mas tenha também uns 2 de malha para os dias mais quentinhos e uns 2 de soft ou lã. Ainda, é lagal ter uns 2 com capuz, caso você saia de casa no frio, mas a maioria deve ser sem capuz, uma vez que é muito mais confortável para o bebezinho novinho que fica deitado o tempo todo.

*MEIAS - vários pares. Uns 12. De algodão. Algumas de lã.

*LUVAS - uns 6 pares. Sem dedinhos. De malha e de plush. Eu, particularmente, não gosto das de lã, acho que os fiozinhos dão alergia nas crianças.

*TOUCAS - umas 6. Pode ser de malha, de plush, de linha, de lã. Tenha umas mais simples e umas mais bonitinhas. Umas com "orelhinhas", umas sem.

*CASAQUINHO DE LÃ, PLUSH, SOFT - pleo menos 3 no tamanho RN e 4 ou 5 no tamanho P. Tanha também uns 2 casaquinhos mais levinhos (de malha ou linha) para os dias mais amenos. São hiper úteis!

*SAPATINHOS - sapatinhos de lã são os mais recomendáveis, embora, segundo as mamães com quem conversei, não sejam muito usados, já que os macacões de inverno sempre vêm com pé.

*MANTA - 2 de lã, 1 de linha ou malha.

*COBERTOR - 2 ou 3 bem grossinhos. O Lucca tem um soft que é uma delícia. 1 cobertor mais fininho, que pode ser um edredom.

*CUEIRO - Tenha sempre á mão! Eu comprei uns prontos e também comprei flanela e minha mãe fez a barrinha pra mim. Depois minha tia fez um bico de crochê. Ficara, lindos. Usei muito, desde que eles nasceram, no hospital, para enrolar o bebê. E uso até hoje, no berço ou no carrinho. Se você for a uma loja de tecidos e procurar flanela, vai encontrar umas bem lindas e modernas! porque os cueiros prontos só vêm em versão "bebezinho".

*TOALHA DE BANHO - umas 5 em tecido de fralda. Umas 3 ou 4 toalhas com capuz. No inverno, é sempre bom usar duas toalhas - uma de capuz para enrolar a criança logo que sai do banho e mante-la enrolada enquanto você a enxuga e troca, e uma de fralda para você enxugar a criança.

*LENÇOL DE CARRINHO - 4 conjuntinhos de malha.

*LENÇOL DE BERÇO - 4 conjuntos de malha.
*PANINHOS DE BOCA - muitos. Uns 15, pelo menos!






Ah, uma dica! A pediatra dos pequenos usou, no inverno, um AQUECEDOR DE AR portátil bem pequenininho e eficiente. Se não me engano é da Arno e vi nas lojas Americanas por R$69,90 na época. Vale muito a pena ter um desse ligado durante o banho e troca de roupas!!!!


É isso!!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

QUADROS SCRAP PARA O QUARTO DOS BABIES

Fiz estes quadrinhos de scrap para combinar com o tema do quarto dos baixinhos, que é de ursos. Fiz também os mesmos ursinhos para a lixeira, porta-fraldas e caixa porta-tudo. Tudo inspiração do jogo de berço e cama deles que comprei na Biramar Baby (www.biramar.com.br).






NATURA MAMÃE BEBÊ

O site da NATURA MAMÃE BEBÊ traz, entre outras coisas muito legais, método de massagem para se fazer durante a gravidez e depois, no bebê. Vale a pena conferir! Já dá até pra sentir o cheirinho de neném na casa...

sábado, 24 de setembro de 2011

ROUPINHAS PARA BEBÊ QUE NASCE NO VERÃO




Meus dois bebês nasceram no verão, a Lívia no final de janeiro e o Lucca, no começo de março. Na época, todas as minhas amigas com quem conversava, diziam "que sorte!, é muito melhor para o bebê e para a mamãe o calor". Concordo. Embora acredite que o calor também judia, principalmente da mamãe, que geralmente incha no final da gravidez. Mas, por outro lado, fico imaginando o frio que o bebezinho pequenininho sente na hora do banho no inverno.


Quando se fala de roupinhas bebê, temos que concordar que as de verão são bem mais confortáveis e fáceis de vestir no bebê que as mais grossas e pesadas de inverno. E o cuidado com elas é bem mais tranquilo nos dias quentes e ensolarados do que nos dias chuvosos e cinzentos.


Me lembro que quando o Lucca nasceu, choveu uns 10 dias direto e, com isso, tivemos que providenciar varal móvel extra porque, mesmo que lavássemos as roupinhas sempre que ele as sujava, o tempo não ajudava...


Vou postar uma lista de enxoval de roupinhas para os bebê que nascerão nos meses quentes, embora acredite que ela seja apenas uma idéia, já que cada mamãe sabe a rotina da sua casa e o no sentido de lavar e passar as ropinhas. O que eu, no alto da minha vasta experiência (rs) de ser mãe posso dizer é: "melhor ter mais do que menos, porque na loucura do dia-a-dia, nem sempre dá tempo de levar tudo bonitinho do jeito que sempre estávamos acostumados ou planejávamos. Nem sempre dá tempo de lavar e passar as roupinhas todo dia...principalmente se você não tem alguém que te ajude."



Se você é mãe de primeira viagem, com certeza, vai comprar coisas a mais que o necessário. Mesmo que as pessoas que estão a sua volta digam que você usará muito pouco ou nada tudo aquilo que você comprou, você sempre acha que o que tem não é suficiente. Ou,você sempre vai encontrar um macacãozinho lindo e irresistível... Se for menina, então, as opções de lacinhos e fitinhas e sapatinhos são inúmeras... e a gente vai comprando...


Dia desses eu peguei as roupinhas da Lívia que estavam guardadas na casa da minha mãe e vi o quanto a mais de sapatinhos ela tinha, se comparado com o irmãozinho. Eu comprava um para cada cor de roupa. E uma presilhina combinando também.


Então, esta lista é só uma base com a quantidade mínima a adquirir. Mas também não vão saindo loucas, num "shopping spree" desvairado, sem se lembrar que o bebezinho receberá visitas e ganhará muita coisa também.



A respeito dos tamanhos:


RN - muita gente fala para não comprar RN porque você nem vai usar. Eu comprei 1 ou 2 de cada peça para Lívia. Ela nasceu pequenininha e eu tive que sair para comprar roupinhas porque tudo era muuuuito grande pra ela. Dependendo da peça, você poderá usar por 1 ou 2 meses. A mesma coisa acontece com as fraldas. Para a Lívia, eu tinha comprado um ou dois pacotes só, e ela usou RN no primeiro mês todinho. Já para o Lucca, eu me preparei melhor e tinha uns pacotes RN de reserva. Não muitos. Uns 4, talvez.


P - você geralmente usa quando o bebê está com 20 dias em diante. Mas, dependendo da peça, você poderá usá-la antes disso ou por um bom tempo depois.


M - o Lucca começou a usar M com 3 meses e até hoje ainda tem umas peças M. estão bem apertadinhas já, mas a gente usa "pra ficar em casa".


G - a partir dos 5 meses. O Lucca está com 6 e meio agora e o tamanho G está "certunho" para ela. Logo, logo estará no GG.


Outra dica de mãe que adora fuçar na internet e sair buscando novidades cada vez que vai no shopping: não compre tudo de uma vez, porque assim, você terá a oportunidade de satisfazer seu desejo de comprar coisinhas interessantes ao longo dos meses!!!!



LISTA DE ENXOVAL PARA BEBÊS QUE NASCEM NO VERÃO: (0 - 3 Meses)


* ROUPA PARA SAÍDA DA MATERNIDADE - Estas são vendidas em kits - um macacão e uma mantinha. Deve ser bonitinha porque você poderá tirar fotos e filmar a criança saindo da maternidade e chegando em casa. (Depois vou postar uma idéia muito legal que fizemos na chegada da Lívia em casa). O macacão e a mantinha do Lucca foram de malha, bem levinhos e confortáveis. O da Lívia foi de linha, também bem gostosinho. Nós o ganhamos da tia Neusa e ela comprou em vermelho, porque dizem que esta cor dá sorte.


* BODY DE MANGA CURTA - 6 no tamanho RN e 6 no tamanho P. Eu adoro esses bodies porque a gente usa muito. Usa sozinho e usa por baixo do macacão. Usa sempre! Quando o bebê é novinho, tem que colocar body por baixo porque ele sente frio. E até no verão a gente usa manga longa.


* BODY DE MANGA LONGA - 4 no tamanho RN e 4 no tamanho P. Prefira os bodies de malha "que estica", porque é muito mais fácil de colocar. Aquela malha que parece "camiseta Hering" é difícil demais de vestir e o bebê fica irritado e grita toda vez que você vai colocar ou tirar a roupa. Uma boa dica de body é o da Pulla Bulla. São muito confortáveis.


* CALÇA (MIJÃO) - 8 no tamanho RN e 8 no tamanho P. Existem mijões COM e SEM pés. Eu prefiro os últimos, porque dá para usá-los por mais tempo... E sempre de malha, bem molinha, bem gostosinha.


* ROUPA PARA BANHO DE SOL - 5 peças. Pode ser macacão sem manguinhas ou conjuntinhos de camisetinhas e porta-fraldas. Para o banho de sol, os médicos recomendam que você deixe que pegue sol diretamente no corpinho do bebê, então deve ser uma roupinha fácil de tirar, levantar e "mostrar" a barriga e as costas.


* MACACÃO COMPRIDO - É bom ter uns 10 no total, variando em tamanho (uns 3 RN, os demais P) e material (malha, linha, lã, plush). O Lucca usou bastante plush em março. É legal ter também uns mais bonitinhos, mas no dia-a-dia, prefira os mais basiquinhos e sem muita costura, bordado ou botões.


* CALÇA DE MOLETOM, LEGGING OU JEANS - É legal ter umas 2 ou 3 no tamanho P e M, para aquelas ocasiões em que vamos fazer um passeio. Elas são lindas!


* CASAQUINHO DE LÃ, MOLETOM OU PLUSH - 2 no tamanho RN e 2 no tamanho P. É sempre bom tê-los, mesmo no verão, porque nunca sabemos quando o tempo vai esfriar um pouquinho.


*CASAQUINHO DE MALHA - 2 no tamanho RN e 3 no tamanho P. INDISPENSÁVEL!!!! MUITO ÚTIL. Por quê? As vezes a gente não sabe se está frio ou calor... (acontece muito isso). Então é só colocar um body de manga curta e ter à mão um casaquinho levinho de malha. Se for menina, tem um da Lilica Ripilica basicão que é muito prático!


* MEIA - vários pares... Comprei aquelas bem pequenininhas quando a Lívia nasceu e acabei usando no Lucca também, mas eu prefiro as de algodão. E vale a pena investir em meias da Luppo Baby porque são as unicas que não saem do pé do bebê.


* LUVA - 4 pares de luvas de algodão. Não recomendo as de lã porque o bebê leva a mão à boca e aos olhos e, a exemplo dos meus 2, podem ter alergias. Mas as de algodão são essenciais mesmo no verão porque as mãozinhas dos pequenos estão sempre geladas.


* SAPATINHO DE LÃ - 1 branco, 1 azul marinho, 1 vermelho e 1 azul claro ou cor de rosa.

* MANTA DE ALGODÃO OU LINHA - pelo menos 3.


* CUEIRO (que eu sempre uso pra tudo - como manta, no carrinho, para auxiliar no trocador, e até como toalha de banho na falta de uma) - pelo menos 4.


* TOALHA DE FRALDA - pelo menos 4.


* TOALHA COM CAPUZ - 2


* PANINHO DE BOCA - pela minha experiência com o Lucca, que sempre mamou demais e vomitava demais, a regra é "quanto mais melhor". Eu comprei uns 12 pra ele e ainda usei toalhinas que ele ganhou e os paninhos cor-de-rosa da Lívia. E houve dias em que tive que recolher um ou dois do varal e usar sem passar porque não dei conta....


* LENÇOL DE CARRINHO - 3 jogos.


* LENÇOL DE BERÇO - 3 jogos.


* COBERTOR GROSSO - 2.



É isso!
No próximo post falo das roupinhas de inverno e de itens que temos que ter!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

21 DE SETEMBRO - PARTE II

Livro infantil aborda questões como o preconceito e a diversidade




Um saci nasce com uma estranha condição: duas pernas! Mas o que poderia ser uma vantagem acaba se tornando um verdadeiro fardo para ele. Os outros sacis e os animais da floresta riem às suas custas e, em muitas situações, o saci de duas pernas acaba sendo excluído. Os coleguinhas de sala, por exemplo, sentem raiva porque ele é o único que consegue pular amarelinha.


Essa foi a forma, divertida e didática, que o escritor Djair Galvão Freire encontrou de apresentar para as crianças questões como o preconceito e as diferenças entre pessoas. De sua experiência como professor em escolas públicas, nasceu o livro O Saci de Duas Pernas, prestes a ter sua segunda edição lançada pela editora Anita Garibaldi.

DIA NACIONAL DE LUTA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

21 DE SETEMBRO - Datas comemorativas são sempre simbólicas, mas servem para mostrar que a sociedade, de alguma maneira, se organiza e se mobiliza frente à questões importantes.

Fico pensando que é bonito falar "Hoje é o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência", mas só quem vive essa LUTA e quem convive com essas pessoas sabe o quão árduo é o dia-a-dia.


Assim, neste DIA NACIONAL DE LUTA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, não posso deixar de me lembrar de duas mães em especial. Primeira é minha prima Liliane, mãe do Bibi; a outra, D. Jalile, mãe do meu aluno Fábio. Ambas mães de deficientes. Ambas extremamente fortes, guerreiras e dignas de orgulho de todos que convivem com elas.


Eu que convivo com as duas (hoje nem tanto), sei o quanto elas lutam pelos seus filhos. É uma dedicação total, 24 horas por dia, sem parar. E o zelo vai além da rotina que nós, mães, conhecemos. É uma luta por Inclusão, Acessibilidade, Educação, Lazer, Cidadania.

E elas conseguem. Estão conseguindo!

Parabéns!

Saudades de vocês duas!

Saudades do Bibi e do Binho também!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

LEITE NO COPO

Gente, devo confessar: essa eu dei Ctrl C / Ctrl V. Não aguentei... Achei muito bom e copiei aqui... É, não foi comigo, mas fico imaginando a cena e sei que vou passar por isso logo, logo...

Olha só o que a Carol postou no Blog dela (viajandonamaternidade.blogspot.com) a respeito de LARGAR A MAMADEIRA:


E daí que levei fumada bronquinha básica da Doutora Pediatra Lindona:

- Mamadeira??? - Questionou ela, com olhar reprovador me mirando sobre os óculos.

- É doutora, ele já toma tudo no copo, o leite as vezes, mas o tetê aída é preferido pelo Isaac.

Responde a mamãe aqui, toda diminuída e já se entregando à culpa.

- Mas com mamadeira não há meio termo. Você precisa tirar, apresentar os copos e explicar que ele não precisa mais dos bicos todos.

- Ahã...

- E Carol, já é comprovado que crianças de 3 anos tem uma pressa louca pela vida. Pra ele, mamar é se alimentar no tempo mais rápido. Além disso, usando a mamadeira ele pode fazer outras coisas ao mesmo tempo.

- Ahã.- Sem contar que nessa idade é muito fácil eles darem aqueles temidos passos para trás no desenvolvimento.

- Ahã????

- É fácil de voltar a fralda, aos costumes e manias de bebê.

- Ã???

Deus me livre, bate na madeira, xô uruca pediátrica!


Aí que eu saí do consultório decidida.

Copo nele!

Sem dramas nem pressões.

Ok.

Aprendi com o desfralde que a coisa anda, flui e não adianta ter todos os ataques psico-maternos.

Saimos da Doutora Lindona e no caminho já fui conversando com ele. Disse ao Isaac o que ouvi da médica e relembrei o que ela disse sobre o assunto a ele também.

E ele se mostrou super decidido.Já é um menino gaaandi e o copo é uma opção válida.

PAUSA

Aí que mãe é tonta, né? E eu já queria reforçar a coisa toda de maneira errada:

- Filho, será que a "fada da chupeta" tem uma amiga "fada da mamadeira"?

- Mamãe, a fada da mamadeira não existe.

DESPAUSA

E então que desde sexta-feira Isaac é menino desmamadeirado.

Toma no copo.

Lógico que na hora do soninho ele pede o tetê. Converso, elogio as copadas que ele já deu e tem funcionado. Mas é preciso coragem, viu?

No sábado mesmo já fiz a mochila pra sair sem a mamadeira dentro. E confesso, sem vergonha, o medinho que senti caso ele solicitasse o bendito tetê. Não pediu.

(todas comigo) uuuufffffaaaaa...


Agora as considerações do medo materno:

- E se ele parar de tomar leite?

Bom, Doutora Lindona disse que a quantidade diminui, mas não posso desistir e tenho que oferecer sempre, nos horários de costume.

- E se não quiser?

A recomendação da pediatra é apresentar outras opções lácteas. Iogurtes, queijos e afins. Além disso, ela antecipou que o leite todo branco, no copo, fica meio sem graça pra eles. Caso queira dar uma colorida, o mais recomendável, tirando as furtas, é o ovomaltine (que é o menos pior).

- E olha a maravilha...Doutora disse que, com a diminuição do leite (já comprovada em casa: as antes duas mamadeiras/dia de 240ml agora foram transformadas em dois copos/dia de 200ml) a tendência é o pequeno ter mais apetite para comidinhas salgadas, frutas e sucos.

- Melhor ainda é que...Sem o tetezinho na cama, dá pra tomar no copo, escovar dentinhos e fazer xixi. Nas duas vezes que fiz isso a fralda amanheceu sequinha.

Ponto super positivo na desfraldância.

Deus preserve.

Amém...


Ai, ai.... acho que já está na hora de mamãezinha aqui tomar coragem e tirar o TETÉ da Lívia! Mas nem a chupeta eu consegui ainda... A fralda já foi embora faz tempo, ufa! pelo menos isso, né...

sábado, 17 de setembro de 2011

BISFENOL A: CUIDADO COM AS MAMADEIRAS E BRINQUEDINHOS DE PLÁSTICO!

BISFENOL A: Esse eu não conhecia... minha sogra já tinha mencionado alguma coisa a este respeito, mas confesso que nunca a levei muito a sério.

Então, o que é Bisfenol A?
O Bisfenol A (também conhecido como BPA) é um produto químico usado na manufatura de um tipo de plástico chamado de policarbonato. O BPA é muito usado por ser um plástico firme e resistente então, mamadeiras, garrafas plásticas, chupetas, brinquedinhos, utensílios de cozinha podem conter BPA.
Além disso, ele é usado como se fosse resina no revestimento de quase todas as latas de alimentos e bebidas, inclusive em latas de fórmula para bebês. O BPA vem sendo discutido internacionalmente há algum tempo e, no início de 2011, uma diretiva da Comissão Europeia entrou em vigor proibindo este componente em mamadeiras.

Porque?

O problema é que vestígios de BPA soltam-se aos poucos do plástico, passando ao alimento e, dessa forma, ao corpo. Especialmente os bebês e crianças pequenas podem ser afetados. Como consequência de uma carga de BPA, alguns especialistas e pesquisas mostram distúrbios no sistema hormonal e no cérebro, diabete, danos ao coração e maior risco cancerígeno, além de outros.

Apesar da comprovação científica ainda não ter sido concluída, estudos com animais realizados em laboratório sugeriram que quantidades mesmo pequenas de BPA podem ser prejudiciais para o desenvolvimento normal de bebês e crianças menores de dois anos de idade.

Mas, como evitar a exposição ao BPA?
- Não esquentar no micro-ondas embalagens de plástico com bebidas ou alimentos, pois o bisfenol é liberado em maior quantidade quando o plástico é aquecido

- Evitar o consumo de alimentos e bebidas enlatadas. A substância é usada como resina para revestimento interno das latas

- Preferir embalagens de vidro, porcelana e aço inoxidável para armazenar alimentos e bebidas

- Descartar utensílios plásticos lascados ou arranhados

- Evitar a utilização de embalagens plásticas com o símbolo de reciclagem 7 (PC) porque podem ter Bisfenol A na composição.


Para mais informações,




quinta-feira, 15 de setembro de 2011

MÚSICA DURANTE A GRAVIDEZ = MAMÃE E BEBÊ CALMOS

Por Renata Demôro, in http://www.gnt.globo.com/



Música faz bem ao corpo e à alma. Durante a gravidez, os benefícios vão além. “As músicas escutadas pela mãe e o bebê, durante a gravidez, podem se tornar uma ferramenta importante, após o nascimento. Ao reconhecer o som que ouvia enquanto estava no útero, a criança fica mais calma. As cólicas diminuem, ela para de chorar e dorme melhor”, explica a fisioterapeuta Vania Maciel, diretora do Espaço Corporal Vania Maciel, no Rio de Janeiro.

Diretora da A Casa da Música, na Bahia, e especialista em musicalização de bebês, Melissa Lima conta que fetos de seis meses já reagem a estímulos sonoros. Nessa fase também já é possível rastrear possíveis deficiências auditivas. “É onde tem início o processo de educação da criança. Ao nascer, estudos mostram que o bebê traz consigo a memória auditiva de, pelo menos, quatro meses”, completa. E não é preciso colocar fones de ouvido na barriga. “O melhor é estabelecer um ritual, onde os pais apreciam juntos uma pequena seleção musical, associada à troca de carinho. Conversar com a criança, ainda na barriga, também estimula os vínculos afetivos com o filho”, recomenda.

Não existe som ideal, mas é preciso bom senso. Vania ressalta a importância de uma trilha sonora própria. “Não existe um estilo ideal, mas é certo que a mulher precisa gostar do que está ouvindo. Pode ser a música preferida do casal, uma canção de ninar ou rock. O importante é que a trilha sonora induza ao estado de elevação. Só assim ela vai alterar positivamente sua respiração, os batimentos cardíacos e o movimento do diafragma, que são percebidos pelo bebê”, complementa. Melissa reforça a importância do bom senso na seleção musical, quando há a intenção de preparar o ambiente sonoro. “Pesquisas em musicoterapia constataram que quanto mais tranquila a música, maior será seu efeito calmante sobre o feto. Por outro lado, quanto mais alto e forte for o som, mais intenso será o diálogo entre a vibração do meio líquido intrauterino e o bebê”, orienta.

Na gravidez da Lívia, sempre tinha no carro o CD do Balão Mágico e ouvia repetidas vezes a música "Ursinho Pimpão", que acabou, mais tarde, sendo a canção de ninar favorita dela quando pequeninha. Nunca me esqueço que, certa vez, em um aniversário infantil, começou a tocar esta música no telão e a baixinha, que na época tinha uns 6 meses, começou a procurar de onde vinha o som. Foi lindo!

Outra música que sempre cantava pra ela era "You are my sunshine".

O Lucca sempre ouviu as musiquinhas que a irmã gosta, de Backyardigans à Patati Patatá... Não tivemos outra opção...

PROCURANDO UMA ESCOLA PARA LÍVIA - PARTE I

Lívia vai completar 3 aninhos no começo do ano que vem e, ao meu ver de mãe-professora, ela já deveria estar frequentando uma escola de Educação Infantil. E a principal razão para isso é acreditar piamente na importância da socialização para o desenvolvimento da criança.

Tudo bem que eu estou em casa 24 horas por dia e com o tempo todinho livre só pra ela e pro Lucca. Mas brincar com um adulto não é a mesma coisa que brincar com outras crianças.

Tudo bem que ela sabe brincar sozinha e passa horas pintando e desenhando no seu caderno, fazendo comidinha, dançando as músicas do Patati Patatá... mas, de novo, e o contato com as outras crianças?

Tudo bem que o Lucca já está começando a querer brincar com a irmã e logo, logo, eles formarão uma dupla da pesada. Mas, ainda assim, não é a mesma coisa que ter amiguinhas e amiguinhos da mesma idade para conversar, brincar de roda, de faz-de-conta, de casinha, de esconde-esconde...

Então, pensando na socialização da Lívia, mamãe (mais do que papai!) decidiu que do ano que vem não passa - Lívia vai para a escola!!!!!


E aí começa a dor de cabeça da mãe-professora-chata.

Eu sempre trabalhei em escola, mas sempre estive do outro lado. Nunca tive que escolher a escola em que minha filha passaria boa parte do dia e, quizá, da sua vida!

Não é uma decisão fácil. Acho que, no passado, já me peguei criticando pais que fizeram este ou aquele comentário a respeito da estrutura física da escola, ou do material, ou da formação dos professores, ou de coisas que, para mim, estando do lado de lá, pareciam sem a menor importância.

Visitar várias e várias escolas (no papel de mãe!) foi uma experiênia inédita. Não consigo, ainda, abstrair tudo o que vi, ouvi e observei nessas diferentes instituições. Só posso dizer que, se não fosse porfessora, talvez esta tarefa (que ainda não terminou...) seria mais fácil.

Antes de começar minha jornada de visitação propriamente dita às escolas, busquei na lista telefônica todos os números de telefones e endereços das prováveis escolhidas. Busquei na internet - Senhor Resolve-Tudo Google, sites desses e outros possíveis colégios. Liguei para todos e pedi informações primeiramente por telefone, acreditando ser mais fácil eliminar uma ou outra escola que não tivesse me interessado.

Ufa!... fomos, então, eu e Lívia, visitar algumas escolhidas.

Para a baixinha, a saga tem sido pura diversão! Ela passeia, vê crianças, as vezes come uma bolachinha de um aminguinho que está na hora do lanche, brinca no parquinho (eu receio que ela pense que escola é sinônimo de parquinho!), e por aí vai...

Para mim, tem sido difícil...

terça-feira, 13 de setembro de 2011

ÁLBUM DO ENZO

















Este álbum de scrapbooking eu fiz para o Enzo, meu sobrinho-afilhado. Eu adorei o resultado e espero que a tia Thaty o recheie com muitas fotos gostosas!

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

PISCINA DE MENTIRA!

Estava dando uma olhadinha no Blog da Adele Enersen dia desses e amei a idéia dela de colocar umas almofadas e travesseiros no chão e cobri-los com uma coberta.

Coloquei a mão na massa e criamos a nossa PISCINA DE MENTIRA, que já virou um must nas tardes aqui em casa!


Agradou a todos - Lívia adora fingir que está na natação; Lucca fica deitado assistindo desenho ou virando de um lado para outro atrás de um brinquedinho; e mamãe dá uma descansadinha depois do almoço...

Tudo de bom!

Vale a pena tentar!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

CONVITE PORTA-CHÁ

Olha que idéia fantástica que o site www.bebe.com.br trouxe para convite de Chá de Bebê! Eles ensinam o passo-a-passo de como fazer o porta-chá e trazem o molde para download. Muito Lindo!!! A caneca é um plus... Amei!




quinta-feira, 1 de setembro de 2011

NECESSIDADES DE UM BEBÊ PREMATURO

Ao deixar a maternidade, os cuidados com o bebê prematuro devem ser redobrados.






Dar à luz antes da hora, há tempos, não é mais uma situação desesperadora. Os avanços da medicina neonatal já garantem que o prematuro passe pelo período ganhando saúde, garantindo assim, a tranqüilidade dos pais.

De acordo com o obstetra e coordenador do Curso de Orientação à Gestante do Hospital e Maternidade Neomater, Jorge Naufal, uma criança pode ser considerada prematura baseando-se em dois pontos: a idade cronológica e o peso que apresenta ao nascer.

Se o bebê nasce antes da 37ª semana ou com menos de 2,5 kg é prematuro , informa.Os cuidados ainda no hospital são tomados para garantir que o bebê ganhe peso, mantenha a temperatura corporal, respire e degluta corretamente. Quando estiver desempenhando todas as tarefas sem problemas, o recém-nascido pode ir para casa. O tempo para isso acontecer, segundo Jorge, é bastante variável.Em casa, porém, os cuidados devem continuar.

A vigilância tem que ser constante nesse período em que o prematuro vai para casa , alerta Jorge. Ele aconselha que a mãe adote o sistema canguru . Segundo o especialista, o chamado sistema canguru é quando a mãe realiza suas atividades rotineiras com o bebê amarrado em seu colo. Além de aumentar o vínculo entre a mãe e a criança, a mãe consegue ficar atenta ao bebê o tempo todo , incentiva.

Os sinais que requerem atenção dos pais são a temperatura do corpo da criança e a alimentação. Quanto à temperatura, ela deve se manter entre os 35 e 36ºC. Os pais devem medir com termômetro e, caso notem a hipotermia, precisam recorrer ao pediatra ou voltar ao hospital , diz o especialista do Neomater. Ele explica que os prematuros saem do útero sem uma adaptação plena para viver no ambiente exterior e, por isso, enfrentam instabilidades na temperatura corporal.

Falando dos cuidados na hora de amamentar, Jorge alerta que os prematuros costumam regurgitar mais. Apesar de exigirem mais atenção, nada impede uma amamentação normal. É importante deixar o bebê com a cabeça bem levantada na hora de amamentar. Amamentá-lo em pequenas quantidades faz com que ele digira melhor o leite , dá as dicas. O obstetra aconselha ainda a sempre deixar o bebê deitado de barriga para cima. Isso evita morte súbita , esclarece.

A moleira dos bebês prematuros também precisa de cuidado redobrado. Os ossos de uma criança prematura são mais frágeis. O próprio tamanho do bebê indica isso. Ele precisa ser manuseado com cautela, sem movimentos bruscos, evitando assim, traumatismos ou estresse , ensina.

Segundo o médico, os cuidados redobrados com o prematuro duram, em média, 30 dias, variando conforme a evolução do bebê. Jorge ressalta, no entanto, que os pais precisam ficar atentos não somente no período em que a criança deixa o hospital.

É preciso observar todo o desenvolvimento da criança prematura, já que ela passou por algumas deficiências. Repare na atividade motora, na visão e na audição , fala sobre o passar dos anos da vida da criança.

CARÊNCIA DE MÃE!

Eu costumo dizer que Lívia, a minha filha mais velha de 2 anos e 7 meses, não tem ciúme do irmãozinho Lucca, de quase 6 meses. Ela tem CARÊNCIA DE MÃE. Aparentemente, Lívia tirou de letra a chegada do mais novo, mas vez ou outra, ela fica chata, querendo atenção e pedindo colinho.




Pesquisando na net, olha o que encontrei sobre isso,

Por Paula Desgualdo, in http://www.bebe.com.br/




Quando o segundo filho nasce, é preciso lidar com as diferentes manifestações de insegurança do mais velho.


Um belo dia, a criança acorda e, como de costume, caminha pela casa arrastando a barra da calça do pijama de flanela. Vai até o quarto dos pais e – surpresa! – nota que a cama está vazia. Depois de checar outros cômodos, ela finalmente os encontra. Onde? No quarto do irmão recém-nascido. Ultimamente, tem sido assim: o ambiente está mais movimentado, ela passa menos tempo ao lado dos pais e as visitas só querem saber do bebê. É de esperar que tome uma atitude para retomar o posto roubado. E as estratégias podem ser as mais diversas, de acordo com sua idade, sua personalidade e até com as reações que costuma notar dos pais.


Segundo a psicóloga gaúcha Caroline Rossato Pereira, que estuda o impacto do nascimento do segundo filho na dinâmica familiar e no desenvolvimento emocional do primogênito, crianças em idade pré-escolar (entre 3 e 6 anos) são as que mais apresentam dificuldades quando enfrentam tal situação. “Elas se manifestam verbalmente e ainda não estão preparadas para compreender e tolerar as novidades”, diz. Isso não significa que os filhos de outras idades encarem tranqüilamente a mudança. Apesar de aceitarem melhor as transformações, os mais velhos não sabem como administrá-las. Já os pequeninos, menores de 3 anos, precisam de ajuda para dar nome a esse estranho sentimento de abandono engasgado no peito.


Algumas crianças ficam enfezadas, outras esnobam a mãe e o bebê ou, ainda, mostram sinais de regressão no comportamento, voltando a pedir a mamadeira e a fazer xixi na cama, por exemplo. Qualquer que seja a manifestação, a mensagem é uma só: “Estou morrendo de medo que o outro tome o meu lugar”.


Como ajudar? “Nessa hora, o acolhimento físico é mais importante que o verbal”, ensina a psicoterapeuta Denise Molino, de São Paulo. Vale elogiar, falar o quanto se ama e como ela é importante, mas, você há de concordar, não existe palavra que substitua um colo e um abraço gostosos.