WELCOME

Este Blog é uma oportunidade de trocar experiências com aquelas que já passaram, estão passando ou ainda passarão por pequenas grandes alegrias, surpresas e aventuras do dia a dia de ser mãe, mamãe, mamãezinha. Sejam todas muito bem vindas!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

MÚSICA DURANTE A GRAVIDEZ = MAMÃE E BEBÊ CALMOS

Por Renata Demôro, in http://www.gnt.globo.com/



Música faz bem ao corpo e à alma. Durante a gravidez, os benefícios vão além. “As músicas escutadas pela mãe e o bebê, durante a gravidez, podem se tornar uma ferramenta importante, após o nascimento. Ao reconhecer o som que ouvia enquanto estava no útero, a criança fica mais calma. As cólicas diminuem, ela para de chorar e dorme melhor”, explica a fisioterapeuta Vania Maciel, diretora do Espaço Corporal Vania Maciel, no Rio de Janeiro.

Diretora da A Casa da Música, na Bahia, e especialista em musicalização de bebês, Melissa Lima conta que fetos de seis meses já reagem a estímulos sonoros. Nessa fase também já é possível rastrear possíveis deficiências auditivas. “É onde tem início o processo de educação da criança. Ao nascer, estudos mostram que o bebê traz consigo a memória auditiva de, pelo menos, quatro meses”, completa. E não é preciso colocar fones de ouvido na barriga. “O melhor é estabelecer um ritual, onde os pais apreciam juntos uma pequena seleção musical, associada à troca de carinho. Conversar com a criança, ainda na barriga, também estimula os vínculos afetivos com o filho”, recomenda.

Não existe som ideal, mas é preciso bom senso. Vania ressalta a importância de uma trilha sonora própria. “Não existe um estilo ideal, mas é certo que a mulher precisa gostar do que está ouvindo. Pode ser a música preferida do casal, uma canção de ninar ou rock. O importante é que a trilha sonora induza ao estado de elevação. Só assim ela vai alterar positivamente sua respiração, os batimentos cardíacos e o movimento do diafragma, que são percebidos pelo bebê”, complementa. Melissa reforça a importância do bom senso na seleção musical, quando há a intenção de preparar o ambiente sonoro. “Pesquisas em musicoterapia constataram que quanto mais tranquila a música, maior será seu efeito calmante sobre o feto. Por outro lado, quanto mais alto e forte for o som, mais intenso será o diálogo entre a vibração do meio líquido intrauterino e o bebê”, orienta.

Na gravidez da Lívia, sempre tinha no carro o CD do Balão Mágico e ouvia repetidas vezes a música "Ursinho Pimpão", que acabou, mais tarde, sendo a canção de ninar favorita dela quando pequeninha. Nunca me esqueço que, certa vez, em um aniversário infantil, começou a tocar esta música no telão e a baixinha, que na época tinha uns 6 meses, começou a procurar de onde vinha o som. Foi lindo!

Outra música que sempre cantava pra ela era "You are my sunshine".

O Lucca sempre ouviu as musiquinhas que a irmã gosta, de Backyardigans à Patati Patatá... Não tivemos outra opção...

2 comentários:

Simoni disse...

Eu fiz isso direto tbm... Adooooro música e acho que já queria influenciá-la desde cedo.
Ouvia de tudo: de clássica a rock e, claro, as musiquinhas inocentes da minha infância, como a "Ursinho Pimpão" e a "Tic Tac", com o Castrinho. Eu ate chorei uma vez pq me lembrava de qdo eu era pequeninha e amaaava Balão Mágico...

Ariane Fernandes Antonini Collote disse...

É Simoni, depois que vira mãe, a gente fica boba mesmo... hj eu coloquei o CD do Balão Mágico e a Lívia começou a cantar Ursinho Pimpão pro Lucca... quase morri!!!! que coisa mais linda!